terça-feira, junho 21, 2016

50, foda-se

Parece que a Shyznogud faz 50. É de caralho. Parece que ainda ontem estávamos aqui todos na pândega e vai-se a ver e era 2003. É de caralho. Apetece blasfemar. Eu, que estava debaixo de uma pedra nos confins do mundo, levantei-me e andei. Só para vir até aqui a este teclado parabenizar, como soe dizer-se, a Shyz. A Shyz é, à falta de melhor cliché, uma instituição. Esguia, mas uma instituição. Mas também a Olívia Palito e não é por isso que pensamos menos delas. Pelo contrário. Por isso, três vivas, para a Shyz, e que guarde o meio século bem guardado, que Deus sabe que ainda vamos precisar dele.

terça-feira, outubro 16, 2012

O Portugal mais sexual de sempre!

É compreensível que quando o Governo nos fode à grande, a capa do Correio da Manhã seja mamas:


Isto é tudo uma orgia de pobreza e sangue.

quarta-feira, junho 06, 2012

Como te sentes? Zangado.

Há coisa de nove anos quando este blog foi lançado por dois ou três putos pretensiosos o mundo era uma coisa diferente, mesmo que essa mudança já tivesse começado com a queda das Torres Gémeas. 2003, era ainda uma época em que a legalização das drogas era uma boa possibilidade, em que a prostituição começava a ser aceite sem falsos moralismos e a interrupção voluntária da gravidez parecia um desses dias a ser possível de ser feita sem ser às escondidas. Um mundo caminhava - aparentemente - para onde sempre deveria ter caminhado, para um lugar de respeito pelas escolhas individuais. Entretanto, não sei se por força do tsunami de 2004 que ao que parece desviou nuns graus o eixo do globo terrestre, tudo começou a mudar radicalmente, aquilo que se julgava impossível tornou-se real. Enquanto eu me embebedava a um ritmo normal, uns tipos gananciosos espalhados por essas bolsas fora, jogavam com o futuro de gerações tão naturalmente como um junkie encharcado em lexotan faz all in com uma mão marginal. Enquanto eu me embebedava, o sistema democrático em que eu mais ou menos acreditava fodia-me o futuro tão velozmente como um rapaz imberbe nas suas primeiras quecas. O que eu sabia - mas não ligava nenhuma - é que o sistema democrático em que vivíamos era afinal um sistema dominado pela Alta Finança - esses filhos da puta. De repente, quando a bolha rebentou - como nós dizíamos em putos - até uns quantos tótós de direita que dantes gozavam com os esquerdistas começaram a falar nos capitalistas selvagens e que se calhar o liberalismo tinha ido um pouco longe demais e talvez tivesse de ser regulado. Um pouco longe demais? Acham mesmo? Acham que estava desrugulado? Acham que sim? Bolas... pela primeira vez na vida concordei com os bacocos de direita mas também é suposto, né? Quando estamos todos fodidos é porque estamos no mesmo barco e a evidência é clara: a tempestade é para todos. A merda é que a humanidade nunca rema no mesmo sentido... Enquanto o meu mundo mudava como é suposto mudar na vida de um jovem adulto, o mundo todo ele mudava e com essa mudança todas as regras ou falta delas para o bem e para o mal. Eu, que tinha preparado o meu futuro de acordo com as regras assinadas três décadas antes, diziam-me agora para esquecer. Esquece escolher um curso pelas suas saídas porque... qual saída? Esquece a trampa do curso que tiraste porque agora o que importa são as certificações; esquece que tens de ser activo porque tu tens mesmo é de ser ativo, esquece todas as regras com que foste educado, porque o mundo tem de avançar. E para onde é que o mundo tem de avançar? Para o lugar em que tudo está opti-mi-za-do. Sistema Nacional de Saúde por exemplo? Fecham-se os hospitais públicos, extinguem-se os centros de saúde, resultado? Optimizado. Optimizado para as contas públicas e optimizadíssimo para os operadores privados. E a Defesa? Está óptima! F16 parados em Beja, submarinos e fragatas fundeados no Alfeite. Resultado? Optimizado. Ambiente? Nunca esteve melhor!! Não há produção industrial, não há poluição! Cultura? Muitos prémios no cinema, por exemplo. Se há coisa que este governo sabe, é que basta ser tecnocrata e ter a sensibilidade artística de um Gnu para incentivar a criatividade dos paneleiros dos artistas que afinal os gajos precisam é de serem picados para se levantarem do sofá. Segurança Social? Prevê-se que para o final de 2013 esteja reformada mas reformada mesmo. Ordenamento do Território, quanto a mim, a melhor extinção ministerial de todas, se não há dinheiro para construir não é preciso ordenar. E a cena vai por aí fora... Mas e se as mudanças não se resumirem ao vil metal? E se a crise, for algo mais que isso, como uma crise ética e de valores. Que conclusão tirar quando um governo nos diz para nos pormos nas putas e desandarmos daqui para fora que isto aqui não é nós. A grande diferença é que eu há nove atrás era um gajo pacífico e com esperança no futuro e agora não. Agora sou pai e olho para o meu filho e penso que talvez não valha a pena ser tão pacífico...

quinta-feira, agosto 04, 2011

INEMequeria'creditar

A deputada do PSD que ligou para o 112 do INEM, só para testar, já emitiu um comunicado em que explica que se sentiu inspirada por Rodrigo Moita de Deus e os seus 70 Primeiro-Ministros* (já estou a ver o jogo da Capcom para a PS3: Ali Babá e os 40 ladrões v. Moita de Deus e os 70 Primeiro-Ministro [o Ali tá fodido]). Mas divago.

A senhora deputada diz no comunicado que se o conhecido monárquico, blogger e pessoa humana, pode reinar, ela também. Os vários grupos parlamentares, já vieram dizer que, assim enquadrada, de um ponto de vista humano e sistemático (numa das páginas do comunicado havia mesmo uma citação, em nota de rodapé, de Niklas Luhmann, em que se referia que o próprio tinha tido a ideia para a Sociedade de Risco depois de ter ligado para o Bundes112 a fazer-se passar por um BadanMeinhof - em português, "vamos ali tomar banho a minha casa). Enfim, arredondo-me novamente: assim enquadrada de um ponto de vista humano e sistemático, a deputada do PSD estava completamente enquadrada (eu, da primeira vez, percebi quadrada) e justificada na sua actuação e, doravante, o protocolo do INEM conterá, logo em modo de opção automática: "se estiver a reinar, tecle 0".

(O velho Niklas depois de ter ligado para o 112 alemão, a reinar, no âmbito da investigação para a sua obra, de todos conhecida, Soziologie des Risikos. É preciso não esquecer que o malandro também escreveu Liebe als Passion: Zur Codierung von Intimität. Não era má ideia investigar a deputada do PSD)


* jovem que em entrevista ao jornal i (não consigo encontrar o link) disse que houve 70 primeiros-ministros em Portugal desde 1960, quando, segundo a wikipedia, e o meu professor de história, houve 21.

As areias de petróleo de Alberta

Como sabem tenho passado os últimos seis a sete anos nas areias de petróleo em Alberta, no Canadá. E isto é literal, não é uma alegoria pornográfica (embora, agora que penso nisso...). Este exílio foi sobretudo derivado às condições socio-económicas do país. Não é só ter que pagar contas, são as pessoas com que temos que nos cruzar nas ruas! Tenho a certeza que percebem que tudo isso é bem melhor nas areias de petróleo de Alberta. Que têm um baixo nível de pessoas, já agora.

Pois. Mas voltei, iô. E voltei não tanto porque o Governo tenha mudado, mas sim, porque o Governo mudou. Não é que ache que este é pior que os anteriores. Acho que é tudo a mesma merda, para ser absolutamente equilibrado. É só que este é mais divertido. Não houve um Jornal de Notícias que não tivesse lido lá em Alberta no último mês que não tivesses qualquer coisa divertida, vinda da parte do Governo. A começar pelo Gaspar e a acabar no Álvaro. E vice-versa. E, nem a propos, se o Álvaro vem lá dos Canadás e consegue ser ministro, eu pensei para comigo: puto, tá na hora de regressares, que aquilo tá bem melhor.

Sudoeste unplugged

Malta, a organização do Sudoeste deste ano (creio que é 2011), manda avisar que, devido à afluência de público (ainda que involuntária) ao posto da GNR da Zambujeira do Mar, o festival este ano realizar-se-á (e não, realizará-se, como muitos de vocês chegaram a pensar), nessas instalações militares-policiais, em modo unplugged. Os Fun Lovin' Criminals foram anunciados como a grande surpresa deste ano (tenho quase a certeza que é 2011).

quinta-feira, junho 23, 2011

O XIX Governo ou como eu gosto de chamar: "O Governo corta-a-eito"

Depois de alguns dias a tentar entender o novo elenco governativo e qual o papel de cada um dos ministros face às pastas que assumiram - chamem-me burro mas não percebi o que Paulo Macedo faz na Saúde quando o mais perto que esteve das funções foi a ser atendido num hospital privado - fez-se luz! Convém que os ministros não percebam absolutamente nada do que vão tutelar, porque não é para isso que lá estão!! A especialidade de todos os ministros - à excepção de Paulo Portas por razões subaquáticas - é na ciência vertical de econo (sustém a respiração) mizar.

segunda-feira, junho 06, 2011

Cheira-me...

...que este blog vai voltar em grande.

terça-feira, março 01, 2011

Crise

Alastrou-se também a esta padaria? Anda tudo a fazer contas à vida, ou é apenas um sinal dos tempos?